sábado, novembro 14, 2009

Quando a saudade aperta

Querida mãe
Escrevo, mais uma vez, a minha singela homenagem à tua vida.
Partiste há 10 meses... parece ainda que foi ontem que me deixaste sózinha, sem vida, vazia.
Tento agarrar-me à vida, deixar o luto, mas tudo ainda é muito negro, mãe.
A tristeza que tenho dentro de mim, domina-me a alma.
Busco a força que me davas na alegria de ensinar que ainda me resta.
Para quê? Nada vale a pena se não posso correr para ti e contar-te as minhas venturas e desventuras na sala de aula, os meus sucessos e os meus fracassos.
O que faço sem os teus conselhos?
E sem o teu amor?
Onde estiveres continua a olhar para mim...
Sem a luz dos teus olhos...
Perder-me-ei na escuridão.
Não deixes mãe, por favor.

glitters

Sem comentários: