Share It

sexta-feira, novembro 26, 2010

O livro dos Mortos

«O "Livro dos Mortos"é o nome moderno de um  antigo texto funerário egípcio, usado pela primeira vez no início do Império Novo (cerca de 1550 a.C.) e ainda em uso cerca de 50 a.C. (...) O texto é composto por uma série de fórmulas mágicas destinadas a ajudar uma pessoa morta fazer a sua navegação através da vida após a morte.
O Livro dos Mortos era geralmente escrito num rolo  de papiro  e colocado na câmara de sepultamento ou caixão de defunto. Um número de feitiços que compõem o livro foram também inscritos nas paredes de tumbas e sarcófagos. O livro - juntamente com outros rituais, como a mumificação - destina-se a ajudar os mortos no Duat, ou pós-vida.

Não houve uma versão simples ou canônica Livro dos Mortos. Os papiros sobreviventes contêm um número variável de mágicos e textos religiosos e variam consideravelmente em sua ilustração. Algumas pessoas parecem ter encomendado as suas próprias cópias do Livro dos Mortos, talvez escolhendo as magias que pensavam ser vitais na sua própria progressão para a vida futura.

O Livro dos Mortos foi o produto de um longo processo de evolução a partir do Textos da Pirâmide do Império Antigo através dos textos de sarcófago do Império Médio. Cerca de um terço dos capítulos do Livro dos Mortos são derivados de textos anteriores. O Livro dos Mortos em si foi adaptado para O Livro de Respirações no período tardio, mas manteve-se popular por direito próprio, até o período romano. (...)
O nome "Livro dos Mortos", foi a invenção do alemão egiptólogo Karl Richard Lepsius, que publicou uma seleção dos textos, em 1842. Quando foi descoberto, o Livro dos Mortos foi pensado para ser um egípcio antigo da Bíblia. Mas, ao contrário da Bíblia, o Livro dos Mortos não estabelecidos princípios religiosos e não foi considerado pelos antigos egípcios para ser o produto da revelação divina, que permitiu que o conteúdo do Livro dos Mortos para mudar ao longo do tempo. (...)
No terceiro período intermediário (...), o Livro dos Mortos tornou-se cada vez mais padronizado e organizado num determinado número de magias ou capítulos (...).Os capítulos tendem a organizar-se em quatro secções:
  • Capítulos 1-16: O falecido entra no sepulcro, desce ao submundo, e o corpo recupera seus poderes de movimento e fala.
  • Capítulos 17- 63:  explicação da origem mítica dos deuses e dos lugares, o falecido existe para viver novamente, para que possa surgir, renascer, com o sol da manhã.
  • Capítulos 64-129: O defunto viaja pelos céus  na arca sol como um dos mortos abençoados. À noite, o defunto viaja para o submundo para comparecer perante Osíris.
  • Capítulos 130-189:  o defunto assume o poder no universo como um dos deuses. Esta secção também inclui capítulos sobre diversos amuletos de proteção, fornecimento de alimentos, e lugares importantes. Há 192 capítulos originais conhecidos, e nenhum papiro contém todos os capítulos conhecido.(...)
Os primeiros manuscritos foram publicados na sequência da expedição egípcia liderada por Napoleão Bonaparte em Description de l'Ėgypte (1821). Jean François Champollion foi um dos primeiros tradutores. Em 1842, Karl Richard Lepsius publicou uma versão datada da época ptolomaica  e criou o nome "Livro dos Mortos ". Este título não foi conhecido ou utilizado pelos antigos egípcios, assim como o sistema de numeração de capítulo que ainda está em uso. Samuel Birch publicou a primeira versão em inglês em 1867. Edouard Naville publicou o que viria a se tornar a  primeira edição standard completa em três volumes em 1886. Usando o texto do papiro no Museu Britânico E. A. Wallis Budge publicou edições, incluindo o Papiro de Ani, que Naville não tinha tratado, em 1890. (...) As mais recentes traduções em inglês têm sido publicadas por TG Allen (1974) e Raymond O. Faulkner (1972).»


Detalhe da pesagem do coração